Buscar
  • Marta Rangel

Ser mãe é maravilhoso… e difícil.

Quando nasce um bebé, nasce também uma mãe. E, em cada mãe, há - já havia - uma mulher. Uma mãe é também filha, irmã, amiga, companheira, profissional… e tantas outras coisas.



“A prioridade é o bebé”, “Cuidas de ti depois”. Ouve-se tantas vezes isto. É verdade que o bebé torna-se a nossa prioridade. O instinto maternal é mais forte do que tudo. É como se o cérebro ficasse programado para satisfazer, em primeiro lugar, todas as necessidades daquele ser tão pequeno e indefeso. E o amor, esse, é incondicional. Visceral, quase. Atinge-nos em cheio no peito e em cada célula do corpo. Mas não deixamos de ser mulheres. E filhas, irmãs, amigas, companheiras e tudo o resto. Não deixamos de ser nós mesmo que, às vezes, em alguns momentos, pareça. Aos olhos da sociedade - ou de uma parte dela - ainda prevalece a ideia romantizada de que ser mãe é, em tudo, perfeito. Não é. Como nada na vida é. Muito menos as pessoas. Ser mãe é maravilhoso. Não há Amor maior nem melhor do que o que sentimos por um filho. Sempre imaginei que seria assim. E é. Hoje sinto-o em cada pedaço do meu corpo, em cada fragmento da minha alma. Mas também é desafiante. Cansativo. Difícil. E não há mal nenhum em admiti-lo. Mal, na minha opinião, é fazer disso tabu. É julgar as mães que se sentem cansadas. É permitir que se sintam culpadas. Sei que muitas mulheres se sentem assim, às vezes. E não têm coragem de dizer com receio que lhes apontem o dedo. Pois eu digo por mim e por elas. Ser mãe é maravilhoso. E difícil.

Sessão fotográfica realizada em Agosto de 2020 pela Owl Consultoria Digital no Hotel Corinthia Lisboa Roupa Hyena Tailormade

Acessórios Pampa Mia

Cabelo Mude XXI

Maquilhagem Susana Marques powered by Vanytime

73 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Deseja adicionar um comentário?